20 de jul de 2011

Apenas para ler...





Na dúvida que não sei,
            Encontro a estranha ausência das coisas.
            Depois,
            Como quem nunca partiu,
Retorno a permanência dos dias

(Penetro intimamente nesse espaço
E entre espelhos me estilhaço).

Inesperadamente,
Em delírios, as lembranças revoam
Protegidas da memória desbotada.

            Antes,
Esse olhar indescritível para o nada
            Naquele rosto quase esquecido...