18 de nov de 2010

Cumplicidade


                                                                                                                                                           

                                               Ó poesia ingrata,
                                               por que não surges
                                                  assim tão livremente?
                                               Não vês que o teu surgir,
                                                  e tão-somente,
                                               é a causa dessa aflita inspiração!
                                              
                                               Não te demores tanto!
                                               Se desprezas o teu corpo
                                                  em qualquer canto,
                                               por que não nesta cama de papel!
                                               (...)
                                               Faremos amor
   em comunhão com as letras:
Eu, porque preciso te escrever;
Tu, porque precisas existir.


Cego


                       
           

                        O olhar vê, o olho não.
                        Quando nada mais alcança o que foi apalpado
                        O olhar vê o que deseja ver
                        E o corpo se sente, por algum instante, como um espelho
                        Mergulhado na sombra de dias e noites tão iguais,
                        Onde tudo está apenas em estado de repouso.

                        Ser cego é ver o invisível.
                        É alongar dedos, abrir ouvidos,
                        Espraiar na terra todos os sentidos.

                        Buscar em si o que não está em si
                        E encontrar; e, antes de encontrar, saber que está ali,
                        Não em si, mas em algum lugar,
Enterrado na escuridão.