18 de nov de 2010

Cumplicidade


                                                                                                                                                           

                                               Ó poesia ingrata,
                                               por que não surges
                                                  assim tão livremente?
                                               Não vês que o teu surgir,
                                                  e tão-somente,
                                               é a causa dessa aflita inspiração!
                                              
                                               Não te demores tanto!
                                               Se desprezas o teu corpo
                                                  em qualquer canto,
                                               por que não nesta cama de papel!
                                               (...)
                                               Faremos amor
   em comunhão com as letras:
Eu, porque preciso te escrever;
Tu, porque precisas existir.


Um comentário:

Renato Roßbach, FRC disse...

Como é bom sentir a frequência vibratória aqui nesse seu espaço Amigo...

Carrega as baterias da gente...

Abraços